Opinião

Nem só de rinoplastias vive o nariz. Sabia?
Dr. João Martins, cirurgião plástico
17 Abr. 2019

Quando pensamos em procedimentos estéticos na face, a imagem que mais frequentemente nos vem à cabeça é o nariz. E não é por acaso: é que, de facto, a rinoplastia é dos procedimentos cirúrgicos mais realizados na face, mas nem sempre o mais adequado nem o único possível para corrigir o nariz. Mas isso nem todos sabem, ainda.

CHULC promove Jornadas de Vertigem dedicadas à MGF
Dr.ª Eugénia Machado, Serviço de ORL do CHLC - Hospital São José
30 Nov. 2018

As 1.ªs Jornadas de Vertigem para Medicina Geral e Familiar (MGF) do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) realizaram-se no dia 5 de novembro, no Hospital de São José. A ideia de organizar estas Jornadas surgiu na sequência dos múltiplos pedidos de estágio em Otorrinolaringologia (ORL) solicitados ao diretor do Serviço de ORL por parte dos médicos de MGF. Durante a passagem pelas várias valências que o Serviço tem a oferecer, foi sempre óbvio o enorme interesse em passar algum tempo na Consulta de Perturbações do Equilíbrio.

Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil quer ir mais além e apoiar também os séniores num futuro próximo
Dr.ª Luísa Monteiro, Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil
23 Ago. 2018

No fim dos anos noventa do século passado surgiu a capacidade de se efetuarem rastreios auditivos em recém-nascidos de um modo simples, sensível e com relativa especificidade. Em Portugal o panorama não era brilhante, o diagnóstico de surdez infantil era geralmente tardio e o rastreio sistemático era apenas efetuado aos recém-nascidos com fatores reconhecidos de alto risco, sobretudo ligados à grande prematuridade e surdez familiar já reconhecida.

Rastreio auditivo neonatal universal: desafios para o futuro
Dr.ª Luísa Azevedo, Diretora do Serviço de ORL do Centro Hospitalar Baixo Vouga
13 Jul. 2018

A audição é um dos sentidos mais relevantes, assumindo um papel fundamental na aquisição da linguagem, no desenvolvimento cognitivo e na integração social da criança. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a surdez é uma das anomalias congénitas mais frequentes, com uma incidência de um a cinco por cada 1000 recém-nascidos (RN), o que per si justifica o rastreio auditivo a todos os RN.

Newsletter

Opinião

Rastreio auditivo neonatal universal: desafios para o futuro
Dr.ª Luísa Azevedo, Diretora do Serviço de ORL do Centro Hospitalar Baixo Vouga

PUB

Apoio

Mylan